Você está visualizando atualmente Encontro de Cipeiros aborda a segurança no local de trabalho

Encontro de Cipeiros aborda a segurança no local de trabalho

Depois de identificar os altos índices de ocorrências de acidentes e de doenças relacionadas ao trabalho que atingem o contingente de operários  de Bento Gonçalves, o Fórum Permanente Segurança e Saúde do Trabalhador (FPSST) reuniu no Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Bento Gonçalves (Sitracom BG), um grande número de integrantes de Comissões Internas de Prevenção de Acidentes (CIPA) de diversas empresas do município, além de profissionais da área de segurança para o Encontro de Cipeiros. O objetivo da iniciativa foi o de estimular a reflexão dos integrantes das CIPAs sobre a importância e responsabilidade desta organização em sua área de atuação.

“É fundamental criarmos a consciência de que a preservação da integridade física e mental é dever de patrões e empregados, e é a partir disso que vamos começar a mudar o quadro que vivemos”, avaliou o especialista em segurança do trabalho da Fundacentro, Paulo Altair Soares, palestrante do encontro. Ele destaca que o processo produtivo, desde a extração da matéria prima até a finalização do produto, exige a participação de gente preparada para as mais diversas etapas da transformação. No andamento desse processo muitos fatores podem gerar acidentes e doenças. “São inúmeras máquinas operando, produtos químicos e outros fatores que acabam deixando o ambiente o ambiente de trabalho pouco saudável expondo os trabalhadores a riscos de acidentes e doenças”, explica o especialista.

Esta situação acaba gerando perdas imensas para trabalhadores e empregadores e o ônus recai diretamente sobre toda a sociedade. “Neste quadro todos perdem. Não há vantagem para ninguém. O operário perde sua saúde e sua condição de mantenedor de sua família e o empregador acumula perdas econômicas”, avaliou. Apesar da gravidade da situação, Soares considera que é possível revertê-la com planejamento e com a participação de uma CIPA que seja atuante e eficiente. Ele destaca que esta organização tem que estar preparada para ajudar na preservação da vida, contando com integrantes em constante processo de aprendizado e capacitação. “Quando temos uma CIPA atuando plenamente o processo de produção não sofre interrupções e se evita perdas que influenciam diretamente no lucro. Há retorno garantido para todos os envolvidos no processo de produção”, argumentou.

Uma das idéias a serem difundidas nesse processo de conscientização diz respeito diretamente ao indivíduo. Acidentes não acontecem por acaso e por isso cada pessoa tem que estar atenta permanentemente. “Somos reféns das nossas escolhas. Se nos omitirmos estaremos depositando nossa cota de culpa em cada acidente. Mas se cada um estiver ciente de suas obrigações e mantiver-se-se atento as regras se segurança teremos dias melhores para todos”, avaliou Soares.

Hoje há estudos que indicam que para cada R$ 1,00 investido em prevenção, outros R$ 9,00 retornam em forma de lucro. “Sendo assim não dá para ignorar que os ganhos podem ser infinitamente superiores quando há o devido respeito pela vida nos locais de trabalho. É por isso que o Sitracom BG, que faz parte do FPSST tem como uma de suas principais bandeira a segurança e a saúde dos trabalhadores. Em pleno século XXI não se pode mais admitir que homens e mulheres saiam de seus lares e corram o risco de não voltar porque tem suas vidas negligenciadas no seu local de labuta”, disse o presidente do Sitracom BG, Itajiba Soares Lopes.

O vice-presidente da entidade, Ivo Vailatti comentou que o encontro foi bastante positivo. “Deu para constatar o interesse dos cipeiros em reverter a situação. Esperamos uma mudança no comportamento  para que possamos evitar acidentes e doenças”, concluiu.